<link rel="me" href="https://draft.blogger.com/profile/05977661825474769355" /> <link rel="openid.server" href="https://draft.blogger.com/openid-server.g" /> <!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://draft.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8784803089888923390\x26blogName\x3dparecia+que...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://umdiadecadavez6.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://umdiadecadavez6.blogspot.com/\x26vt\x3d-1337944959940495432', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
10 fevereiro 2011
será que sabes

será que sabes a falta que me fazes? será que sabes como desejo de volta o calor do teu abraço? será que tens a mais pequena ideia de como me esforço por não chorar sempre que estou perto de ti e não te posso envolver com os meus braços? será que imaginas como me custa toda esta rotina que criámos? será que sabes que penso em ti mesmo negando perante o mundo inteiro? será que sabes que ainda escrevo sobre ti, sobre nód? será que te passa pela cabeça que todas as palavras que se soltam de dentro do meu ser são destinadas a ti? será que tens vontade de me abraçar como dantes? será que imaginas o nosso futuro? será que ainda acreditas em nós? será que ainda pensas em mim? será que ainda te lembras dos nossos momentos? será que sabes que eu não queria, nunca quis nada disto? será que... será que voltarás a ser meu?

01 janeiro 2011
2011

e que 2011 seja melhor que 2010 , com tudo aquilo a que há direito. e que os sorrisos aumentem e as lágrimas diminuam, e que os medos mudem de lugar e dêm prioridade aos sonhos e aos desejos por realizar, e que o receio não impessa a vontade de fazer algo, e que a vontade de amar não seja apagada pelo medo de sofrer, e que a força de lutar seja maior que a vontade de desistir, e que a esperança não seja destruída pela magoa, e que haja sempre risos e alegria, que haja vontade de saltar, que haja vontade de gritar e transpassar a alegria aos outros. que haja coragem para arriscar, que haja força para viver, que haja solidariedade, que haja promessas cumpridas, que hajam abraços sentidos, que hajam beijos molhados e secos, curtos e longos mas sempre com o maior sentimento, que hajam sorrisos verdadeiros, que hajam histórias para contar, que hajam momentos marcantes, que hajam menos desilusões e mais objectivos alcançados. que 2011 continue a haver felicidade, mas se ainda possivel, mais e mais. mais felicidade que ontem, menos felicidade que amanhã. mas sempre felicidade. é tudo o que peço para este ano.




30 dezembro 2010
all over again

Ter vontade de correr para ti sempre que te vejo e ficar a teu lado. Ter vontade de sussurar-te ao ouvido como gosto de ti. Ter vontade de sorrir para ti a todos os segundos, durante as aulas. Ter vontade de dizer "amo-te" sem ter medo. Ter vontade de correr e abraçar-te. Ter vontade de estar sempre contigo. Ter vontade de te ter por perto. Sentir a tua falta. Sentir saudades tuas. Sentir medo de te perder. Sentir-me estúpida. Sentir-me inútil. Sentir ciúmes. Precisar da tua atenção. Precisar do teu carinho. Precisar que me abraçes e não me largues mais.

Não quero passar por tudo isto novamente.
Não quero sentir tudo isto novamente.
Não quero sofrer novamente.
Não quero, não posso nem mereço.